Acesso a Informação:
     

Filie-se ao Sindicato dos Policiais Federais do Estado do Paraná



"Os homens podem dividir-se em dois grupos: os que seguem em frente e fazem alguma coisa e os que vão atrás a criticar." (Sêneca)
-Interna

Notícias

Peça de Marqueting ruim, "Polícia Federal" omite fatos fundamentais.

15/09/2017

Quando o necessário combate à corrupção é transformado numa narrativa infantil do bem contra o mal, como ocorre em "Polícia Federal - A Lei É para Todos", cedo ou tarde vem a desconfiança. Depois de três anos, não cola mais a versão de que a Lava Jato representa a salvação nacional, enquanto Lula e o PT são o mal a ser combatido. No entanto, é precisamente isso que o filme tenta nos vender. Os delegados da PF são retratados como heróis que agem por algum ideal superior. Sergio Moro é apresentado como juiz equilibrado e imparcial. Na cena que precede a condução coercitiva de Lula, ele questiona se a ação "é mesmo necessária". Em seguida, orienta os delegados a "proteger a imagem do ex-presidente". Nessa nem a velhinha de Taubaté acredita. A operação de identificação subjetiva com os protagonistas da Lava Jato passa ainda por técnicas primárias. Somos levados a acompanhar o drama familiar de Julio –que representa o delegado Márcio Anselmo– com seus pais. Do outro lado, Lula é apresentado como um tipo antipático e arrogante. A humanização foi seletiva.
Fonte: www.folha.uol.com.br