Acesso a Informação:
     

Filie-se ao Sindicato dos Policiais Federais do Estado do Paraná



"Os homens podem dividir-se em dois grupos: os que seguem em frente e fazem alguma coisa e os que vão atrás a criticar." (Sêneca)
-Interna

Notícias

SINPF e Fenapef acompanham em Curitiba a condenação de assassino de Agente Federal

23/02/2017

O caso
             Alessandro Meneghel é réu confesso na morte de Alexandre Drummond Barbosa. A morte aconteceu na madrugada de 14 de abril de 2012, em frente a uma casa noturna de Cascavel. O ruralista foi preso horas depois do assassinato, chegou a ser encaminhado a Penitenciária Federal de Catanduvas e na sequência foi encaminhado a Penitenciária Estadual de Cascavel (PEC), onde ficou até o fim de 2015, quando conseguiu na Justiça o direito a prisão domiciliar, com uso de tornozeleira eletrônica.
             As investigações apontaram que “Alexandre foi atingido por vários tiros de calibre 12 milímetros. Ele chegou a ser socorrido, mas morreu antes mesmo de dar entrada no hospital”.
              Muito conhecido por sua truculência e violência com que tratava seus desafetos. Todos acompanharam apreensivos o julgamento do crime, no tribunal do Júri, em Curitiba, que arrastou-se por longas 18 horas nos dias 21 e 22 de fevereiro. Embora bem assessorado juridicamente por uma das mais caras equipes de advogados do Paraná, que recorreu à dramatização, a performances jocosas e até ameaças, que em alguns momentos tumultuaram as sessões, as evidências do assassinato levaram o júri a considerar o réu culpado. Com base na decisão do Juri, o juiz Thiago Flôres Carvalho dosimetrou a pena em 34 anos e 6 meses de prisão.
              Para os pais da vítima, a justiça foi feita, apesar da pressão e do poder econômico do réu, que buscou por todos os meios postergar um julgamento de final previsível. O presidente da Fenapef, Luís Antônio Boudens, e o presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Paraná, Francisco Breus, acompanharam de perto todo o julgamento, ao lado de vários agentes federais, entre eles o agente federal Newton Ishii. Boudens prestou solidariedade em particular aos pais do Agente Federal Alexandre, que foi morto no auge da carreira, com apenas 36 anos de idade.
“Nossa presença aqui foi para trazer conforto e apoio à família e aos meus colegas policiais federais de Cascavel. A condenação confirma que a presença do Estado, seja pela polícia ou pela Justiça, jamais vai sucumbir às pressões ou interesses de pessoas que se acham intocáveis”, disse Boudens. “Aqui foi feita a Justiça. Um exemplo para um novo Brasil.”

 
FONTE: https://massanews.com
             http://www.fenapef.org.br