Acesso a Informação:
     

Filie-se ao Sindicato dos Policiais Federais do Estado do Paraná



"Os homens podem dividir-se em dois grupos: os que seguem em frente e fazem alguma coisa e os que vão atrás a criticar." (Sêneca)
-Interna

Notícias

NOVO JURI DO ACUSADO PELA MORTE DO POLICIAL FEDERAL ALEXANDRE DRUMMOND BARBOSA

30/01/2017

Acontece no próximo dia 21 de fevereiro, às 9 hs, no 2º Tribunal do Juri de Curitiba, o novo do julgamento de Alessandro Meneghel, acusado de matar o policial federal Alexandre Drummond Barbosa. 

 

 
Acompanhe algumas notícias mais recentes sobre o caso:


Liminar cancela multa a advogado de Meneghel

 

Publicado em 18 de Dezembro de 2016 às 11h46min

 

Defensor havia sido multado em R$ 88 mil por abandonar júri do ruralista...

 

Uma liminar suspendeu a execução de multa ao advogado Cláudio Dalledone Júnior, que atua na defesa de Alessandro Meneghel, assassino do policial federal Alexandre Drummond Barbosa, e abandonou o júri que ocorria em Curitiba em março deste ano.

No dia do júri, Dalledone afirmou que tomou a atitude porque o Ministério Público usou documento estranho ao processo (se referindo a uma lista com vários metros onde constariam os crimes já cometidos pelo réu) e também porque uma promotora teria buscado influenciar os jurados contra o advogado.

Segundo as informações, a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) teria ingresso com mandado de segurança contra a aplicação da multa de R$ 88 mil pelo abandono do plenário. Houve concessão liminar, enquanto a causa como um todo é analisada. 

Fonte: http://cgn.uol.com.br/noticia/205328/liminar-cancela-multa-a-advogado-de-meneghel

 

 

 

Caso Meneghel: TJ nega nova troca de local de júri


Publicado em 23 de Novembro de 2016 às 19h15min - Atualizado em 23/11/2016 às 20h46min

 

Próximo passo será a designação de uma nova data para o júri que foi anulado depois que defesa do réu abandonou plenário...

 

Por unanimidade os desembargadores do Tribunal de Justiça rejeitaram o pedido da defesa de Alessandro Meneghel de trocar o local do júri. O próximo passo é a designação de uma nova data para o julgamento, o que deve ocorrer no primeiro trimestre de 2017.

Meneghel é acusado de matar o Policial Federal Alexandre Drummond Barbosa em frente a uma casa noturna de Cascavel em 2012. O julgamento foi transferido para Curitiba a pedido do MP, por considerar a influência que a família do ruralista poderia exercer. Em março deste ano o júri chegou a ocorrer, mas foi anulado pouco antes do final quando o advogado do réu, Claudio Dalledone, deixou o tribunal. Uma nova data chegou a ser marcada para junho , mas acabou suspensa porque o próprio Dalledone pediu a troca do local do julgamento.  

A argumentação do advogado era que os jurados de Curitiba já estariam propensos a condenar Meneghel, devido a reportagens publicadas e a fatos ocorridos no julgamento. O advogado foi acusado de ter uma postura machista e criticou o fato de a acusação ter aberto no tribunal uma lista com vários metros, onde constariam as passagens policiais de Meneghel.

Os desembargadores rejeitaram os argumentos e lembraram que o novo julgamento terá outros jurados, escolhidos entre 1.500 pessoas.

“Admitir-se que uma reportagem pudesse abalar ou influenciar o ânimo dos habitantes da Capital, dentre os quais são sorteados os integrantes do Conselho de Sentença, cuja população é superior a um milhão e oitocentos mil pessoas, forçoso seria reconhecer que a repercussão do caso geraria efeitos não só na população da Capital, mas como de resto no Estado do Paraná em seu todo. Destarte, a solução seria o desaforamento para comarcar situada fora do território paranaense? Por certo que não”, diz a decisão.

Nova data

Tanto a assistência de acusação quanto o Ministério Público acreditam que a nova data deve ser agendada em fevereiro, ou no máximo em março de 2017.

“Mesmo ele estando em prisão domiciliar é considerado réu preso, com isso há prioridade na inclusão da pauta”, explica o assistente de acusação, André Peixoto.

O promotor Lucas Cavini explica que mesmo que a defesa de Meneghel recorra ao Superior Tribunal de Justiça, o que é improvável, não efeito suspensivo, ou seja, os trâmites na Capital para que o júri ocorra seguem.

“A decisão dos desembargadores é o que esperávamos. Historicamente, nunca foi tirado um júri da capital. Obviamente os jurados não estarão comprometidos”.

http://cgn.uol.com.br/noticia/201971/caso-meneghel-tj-nega-nova-troca-de-local-de-juri