Acesso a Informação:
     

Filie-se ao Sindicato dos Policiais Federais do Estado do Paraná



"Os homens podem dividir-se em dois grupos: os que seguem em frente e fazem alguma coisa e os que vão atrás a criticar." (Sêneca)
-Interna

Notícias

Entrevista: Coordenador do primeiro Bacharelado em Segurança Pública no Rio Grande do Sul fala sobre os propósitos do curso

25/11/2016

Entrevista: Coordenador do primeiro Bacharelado em Segurança Pública no Rio Grande do Sul fala sobre os propósitos do curso
 

Marcelo Bertoluci, coordenador do Bacharelado em Segurança Pública da PUCRS
Se por um lado o profissional da área de Segurança Pública necessita fazer uma análise crítica das instituições vigentes, há também a necessidade de entendimento do fenômeno social da violência. De posse desse diagnóstico, há que se buscar conhecimentos aprofundados a fim de intervir de forma eficiente na realidade, visando transformações consistentes para minimizar os alarmantes índices de insegurança.
Diante dessa demanda, a PUCRS lançou o Curso de Graduação em Segurança Pública, já disponível no Vestibular de Verão 2017, cujas inscrições podem ser feitas até o dia 27 de novembro. O primeiro bacharelado nessa área no Estado oferece 40 vagas para o turno da manhã e 40 para noite.
Com a intenção de saber um pouco mais sobre o assunto, o SINPEF/RS entrevistou o coordenador do Bacharelado em Segurança Pública, Marcelo Machado Bertoluci, professor de Direito Penal da PUCRS. Doutorando em Ciências Criminais, ele gentilmente detalhou os propósitos e a importância do Curso, contextualizando-o frente aos altos índices de criminalidades registrados atualmente. Advogado, foi presidente da OAB/RS (2013/2015) e é Conselheiro Federal da OAB (2016/2018).
O que é necessário para uma mudança estrutural do Sistema de Segurança Pública?
Marcelo Bertoluci – A Segurança Pública é um tema de grande complexidade, então não existem soluções simplistas ou mágicas, mas sim uma série de encaminhamentos importantes e, dentre esses, está o aprofundamento do tema Segurança Pública numa perspectiva interdisciplinar. Cada vez mais é necessário investimento do Poder Executivo e engajamento de todos os atores que estão envolvidos no tema, com participação efetiva da cidadania na medida em que Segurança Pública é dever do Estado, mas também é um dever do cidadão. Portanto, para que os índices de criminalidade sejam reduzidos, para que possamos viver em sociedade com um grau desejável de segurança, é necessário um engajamento coletivo, um trabalho em rede e, através dos vários saberes e da união das forças, chegarmos a uma situação muito melhor.
Nesse contexto, qual a importância da criação do Bacharelado em Segurança Pública?
Marcelo Bertoluci – A importância é vital porque estamos avançando cada vez mais no sentido de buscar encaminhamentos concretos, e vislumbrar o crime não apenas na importante perspectiva do Curso de Direito, que é a perspectiva pós delitual, através da investigação e do Processo Penal, mas também a partir do momento anterior à ocorrência do delito, numa perspectiva que avalie as causas, e não apenas suas consequências – e este é o grande foco do Bacharelado em Segurança Pública.
Qual o projeto pedagógico do Bacharelado em Segurança Pública?
Marcelo Bertoluci – O tema Segurança Pública não pode ser tratado de uma forma emergencial, e os envolvidos no curso entendem que a Universidade pode contribuir enormemente para, em mesa redonda e com a participação de diversas instituições públicas e privadas, avançarmos com inovação, empreendedorismo e desenvolvimento de tecnologia. O curso traz, portanto, uma vocação muito grande à internacionalização do conhecimento, e busca, através da interdisciplinaridade, a reunião de saberes e a troca de experiências, o desenvolvimento do empreendedorismo com inovação, para obtermos resultados efetivos que melhorem a vida do cidadão, concretude, portanto.
Qual o diferencial do Bacharelado em Segurança Pública em relação ao Curso de Direito?
Marcelo Bertoluci – O Bacharelado em Segurança Pública é um curso que possui duração de quatro anos. O profissional que já possui formação em Direito poderá cursar dois anos e receber a titulação, com aproveitamento de muitas disciplinas já cursadas. As demais disciplinas são ligadas às áreas de Ciências Médicas, Psicologia, História, Ciências Aeronáuticas, Administração de Empresas (Gestão), Antropologia, Teologia, entre outras. O aluno vai trocar experiências com diversas escolas, convivendo com outras unidades da Universidade.
Qual a importância do Curso para aqueles que já são profissionais da área?
Marcelo Bertoluci – Constituímos um Observatório permanente de Segurança Pública. Esse observatório envolverá, por meio de convênios, diversas instituições públicas de Segurança Pública, mas também setores fundamentais do mundo privado. Portanto, o profissional de segurança que estiver cursando o Bacharelado conviverá num ambiente de troca de experiências e de vivências, e terá condições de produzir uma inter-relação muito importante com vários outros atores. O curso também estará ligado aos programas de pós-graduação da Universidade, e poderá produzir pesquisa a partir de necessidades concretas. Além disso, o aperfeiçoamento dos agentes de Segurança Pública é fundamental, pois sabemos que ele pode contribuir de forma decisiva, pois a atuação policial é preventiva, estratégica, anterior ao delito.
Que tipo de profissional o Bacharelado pretende formar?
Marcelo Bertoluci – Pretendemos que o profissional egresso do Bacharelado seja um agente de transformação social, com formação humanitária, e que atue com concretude, para melhorar a vida das pessoas. Temos a convicção que atingiremos os objetivos.
Ao final do Curso, o profissional poderá atuar em quais áreas?
Marcelo Bertoluci – Os profissionais poderão atuar na área pública, inclusive buscando ascensão nas diversas carreiras, mas também na área privada. No setor público, poderão atuar no planejamento, avaliação e execução das políticas públicas da área. No setor privado, poderão atuar como consultores, assessores e envolvidos no planejamento de segurança privada. Com certeza, os profissionais da área deverão ter um elevado grau de empregabilidade, por ser um campo crescente, e que deve ser tratado com formação específica, interdisciplinar, inovadora. Internacionalização, utilização de tecnologias, empreendedorismo, e atuação em rede são fundamentais. E a pessoa humana, o grande centro de tudo.
Clique aqui e obtenha maiores informações sobre o Curso.
SINPEF/RS