Acesso a Informação:
     

Filie-se ao Sindicato dos Policiais Federais do Estado do Paraná



"Os homens podem dividir-se em dois grupos: os que seguem em frente e fazem alguma coisa e os que vão atrás a criticar." (Sêneca)
-Interna

Notícias

Ney Leprevost defende saúde mental dos policiais

29/09/2015

O deputado Ney Leprevost, líder da Frente Estadual da Saúde e Cidadania, promoveu na manhã desta terça-feira, dia 29, em parceria com o Sindicato dos Policiais Federais do Estado do Paraná, uma audiência pública com o tema “Saúde Mental do Policial” como parte das atividades do Setembro Amarelo – Mês de Prevenção ao Suicídio.

“Todas as sugestões que as entidades aqui presentes enviarem ao nosso gabinete serão transformadas em projetos ou encaminhadas ao governo do estado. O tema saúde mental dos policiais é de suma importância, inclusive para a sociedade”, afirmou Ney.

“As corporações procuram esconder esse problema. O que estamos vendo são índices alarmantes de suicídio, uma triste média de um suicídio por mês. Precisamos valorizar e apoiar os nossos policiais”, afirmou o presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Paraná, Dr. Fernando Vicentini.

“Precisamos garantir as condições necessárias para que os policiais possam cuidar da segurança da população e também da sua própria vida. É uma questão de segurança pública” disse a presidente da Comissão de Estabelecimentos Prisionais, Dra. Lucia Beloni.

“Nossa luta é por toda a classe dos servidores de polícia do Estado do Paraná. Todos vivem sobre forte estresse e precisam de mais apoio do Poder Público”, afirmou a coordenadora do Centro de Atendimento Psicossocial da Polícia Civil, Dra. Rogéria Sinimbu Aguiar.

“Na Polícia Federal temos índices alarmantes de suicídio. Precisamos mudar a formação acadêmica dos nossos policiais. Afastar o policial do trabalho não resolve o problema. O que vemos é que mesmo fora de serviço eles ainda cometem suicídio”, garantiu o vice-presidente do Sindicato dos Policiais Federais, Alberto Domingos.

“A falta de contingente da PM é extremamente grave, pois sobrecarrega os militares que estão adoecendo e precisam ser encaminhados para atendimento psicológico no Hospital da Policia Militar do Paraná”, disse o presidente da Associação de Praças do Estado do Paraná (APRA), Dr. Orélio Fontana Neto.
A mesa foi composta pelos deputados Ney Leprevost, Márcio Pacheco e Claudio Palozi, pelo presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Paraná, Dr. Fernando Vicentini, pela presidente da Comissão de Estabelecimentos Prisionais, Dra. Lucia Beloni, pela coordenadora do Centro de Atendimento Psicossocial da Polícia Civil, Dra. Rogéria Sinimbu Aguiar, pelo presidente da Associação de Praças do Estado do Paraná (APRA), Dr. Orélio Fontana Neto, pelo coordenador de Conseg Estadual, Sr. Tiago Baccin, pelo presidente do SINCLAPOL, André Luiz Gutierrez, pela secretária Geral do SINCLAPOL, Desiree da Camara Leal, pela Chefe do Centro Terapêutico da PM/PR, Capitã Isabel Cristina e pelo vice-presidente do Sindicato dos Policiais Federais, Alberto Domingos.

(Via Assessoria de Imprensa – Rodrigo França)